Como os Ambientes de Dança Afetam a Saúde Mental dos Bailarinos

210

Muitos bailarinos lutam contra distúrbios alimentares e perfeccionismo, mas os ambientes de dança podem desempenhar um papel importante para ajudar dançarinos para serem mentalmente saudáveis. Professores de dança da BYU estão se esforçando para fazer os ambientes de dança positivos e saudáveis ​​para os alunos de dança.

De acordo com a dançarina de balé da BYU, Ashley Bouwhuis, os distúrbios alimentares podem vir das práticas de ensino, de grupos de dançarinos e do meio ambiente que eles criam.

De acordo com a Psicologia de Dança para Desempenho de Excelência Artística, embora poucos dançarinos desenvolvam um distúrbio alimentar clinicamente definido, muitos desenvolvem alguma forma de distúrbio alimentar por causa da estética física que são exigidos deles como dançarinos.

Segundo a Academia de Nutrição e Dietética, o transtorno alimentar é usado para descrever uma série de hábitos alimentares irregulares. O principal fator que diferencia o transtorno alimentar de um distúrbio alimentar é a gravidade e frequência dos comportamentos.

“Enquanto a necessidade de ser magro e “perfeito” é uma mentalidade comum para a maioria no mundo da dança, as coisas são muito diferentes na BYU”, segundo a administradora e diretora artística de balé da BYU Shayla Bott.

“Nós aqui na BYU estamos sempre tentando ajudar as pessoas a chegarem a um lugar mais saudável “, disse Bott.” Eu acho que no geral, especialmente em pequenas empresas em todo o país, as pessoas estão procurando por corpos mais saudáveis ​​que possam fazer toda a repetição que é exigida deles “.

Segundo Bott, os ambientes de dança podem influenciar bastante os bailarinos e influências que não são saudáveis serão evidentes neles.

“Nossos alunos estão juntos por volta de 22 horas por semana, e se fosse para ser um ambiente tóxico para qualquer um deles poderia ser realmente prejudicial “, disse Bott.

Embora os comentários feitos por professores e colegas, pelas costas, possam não ter uma intenção real, alguns comentários podem ter um impacto duradouro sobre alunos, segundo a ex-aluna da BYU Nicole Harvey.

“Eles podem causar bloqueios mentais quando se trata de inseguranças e encorajando e tendo confiança, ou pode acontecer o oposto e dar grande confiança e ajuda”, disse Harvey.

De acordo com a professora associada de dança da BYU, Shani Robison, a busca pela perfeição é uma grande força motriz quando se trata de instabilidade mental em bailarinos.

“Eu acho que a nossa forma de arte, sendo uma arte performática visual, afeta a saúde mental por causa do desejo de olhar de uma certa maneira “, Robison disse.

De acordo com Pam Musil, presidente do Departamento de Dança, há sempre a necessidade de perfeccionismo na dança, e a mesma estabelece uma constante sensação de necessidade de ser perfeito nos ambientes de dança.

“Há um nível um pouco mais alto de perfeccionismo em dançarinos do que em outros públicos e, esse perfeccionismo, eu acho que, também atribui aos transtornos alimentares”, disse Musil. “Há também algumas pesquisas que sugerem que os dançarinos começam a se preocupar com seu peso com uma idade muito mais jovem do que suas equipes e a começar a restringir calorias quando jovens, com 9 anos de idade “.

Musil disse que, semelhante aos diretores do departamento de balé, diretores de dança contemporânea procuram dançarinos saudáveis ​​e se concentram mais na saúde dos bailarinos do que na estética de uma performance.

“Em uma sala de aula contemporânea, há muito espaço para uma escolha individual e muita valorização de diferentes tipos de corpos e diferentes olhares “, disse Musil.

De acordo com a política da universidade, os membros do corpo docente do departamento de dança são proibidos de falar sobre peso com os alunos. No entanto, algumas áreas de dança continuam a medir e comparar seus dançarinos com a esperança de conseguir uma aparência uniforme, uma prática que pode criar ambiente insalubre, de acordo com a dançarina da BYU Mallorie Davis.

De acordo com Robison, tem que dançar conforme a música, os professores estão se esforçando para tornar os ambientes de dança mais propícios a um pensamento saudável.

“Eu acho que se afastar do espelho é algo que ajuda os dançarinos a focar menos em como eles se aparentam e mais em como eles dançam”, Robison disse. “Eu também acho que falar com os alunos com antecedência sobre os recursos que estão disponíveis para eles, caso eles estejam lidando com saúde mental ou distúrbio alimentar, é extremamente importante “.

A professora de dança de salão Natalie Schultz disse que a mudança pode vir de como os professores instruem suas aulas ou como os alunos interagem uns com os outros, mas principalmente tem que vir de dentro do dançarino individualmente.

“Se as pessoas querem ver que essa mudança acontecendo, tem que começar dentro delas mesmo e como elas a encaram”, disse Schultz.” Até os dançarinos aceitarem como eles são e que eles são lindos, nada realmente vai mudar “.

Junto com essa mudança na mentalidade dos dançarinos, Bott disse que instrutores também precisam obter inteligência emocional.

“Eu acho que a dança pode chegar a um ponto em que os responsáveis ​​valorizam os bailarinos individualmente, assim como as pessoas e não apenas como um meio de colocar em uma apresentação”, disse Bott.” Eu também acho que é importante criar um ambiente familiar dentro de dançarinos para que eles tenham um sistema de apoio que existe mesmo fora da sala de aula “.

Print Friendly, PDF & Email