Palestrantes dizem que religião tem potencial para criar comunidades seguras para grupos marginalizados

30
- Advertisement -

Tradução: Karol Fialho

A mercantilização de tudo que vai da recreação pessoal ao namoro, cria a “ilusão de escolha infinita”. Este excedente de opções pode sobrecarregar e isolar, disse Shadi Hamid, que foi palestrante na Religious Freedom Annual Review em 20 de junho.

Uma comunidade estável pode neutralizar os efeitos prejudiciais da mercantilização em massa, acrescentou o colega membro do painel, R. R. Reno. As comunidades fornecem normas e conjuntos de valores que ajudam na tomada de decisões, disse Reno.

Embora a religião cumpra essa função de comunidade para muitos, isso pode permanecer isolado para certos grupos marginalizados. Outros painéis da Review discutiram meios pelos quais a religião ainda pode funcionar como uma comunidade segura e estabilizadora para esses grupos -se aqueles pertencentes às comunidades religiosas escolherem promover a inclusão e a compreensão.

Mulheres

 Um painel de mulheres representando várias religiões concordaram que a infantilização de mulheres religiosas é prejudicial às conversas em torno dos direitos das mulheres e da liberdade religiosa.

“Há uma noção de que a religião em si – a religião organizada em suas várias formas – é misógina”, disse Ashley McGuire, membro sênior da Catholic Association. “Eu acho que isso retrocede a causa da liberdade religiosa e acho que isso enfraquece as mulheres religiosas”.

McGuire explicou ainda que as mulheres religiosas frequentemente dizem que sua paixão por suas crenças as motivam a liderar a luta pela liberdade religiosa.

O palestrante Sahar Aziz concordou, citando alguns equívocos sobre o hijab e violência motivada religiosamente como exemplos dessa noção prejudicial. Ele disse que a grande maioria das mulheres muçulmanas opta por usar o hijab como uma demonstração de sua devoção a Deus e grande parte da violência que os meios de comunicação ocidentais cobrem são casos extremos, não a regra.

Aziz disse que as mulheres muçulmanas americanas estão mais preocupadas com a violência dos grupos de supremacia branca do que com os homens de sua própria fé.

Um aumento na educação sobre a liberdade religiosa fará mais para proteger as mulheres de fé do que uma campanha mal direcionada para libertar as mulheres da religião organizada, disse a integrante Tina Ramirez.

Ramirez disse que participou de um estudo no qual os estudantes que mostraram uma disposição para discriminar as mulheres que recebem educação foram ensinados sobre a liberdade religiosa. Depois de algumas lições, Ramirez disse que esses mesmos estudantes mudaram suas opiniões e respeitaram o direito das mulheres à educação.

LGBT

Para a comunidade LGBT, a linguagem da liberdade religiosa frequentemente “é usada como um veículo para ocultar a discriminação”, disse a palestrante Sarah Langford.

Outros palestrantes afirmaram que frases como “odeie o pecado, ame o pecador” são prejudiciais. O palestrante Ben Schilaty, um Santo dos Últimos Dias homossexual, relembrou como foi doloroso ler os comentários ofensivos de outros Santos dos Últimos Dias postados on-line após a decisão da Suprema Corte de legalizar o casamento gay.

O integrante do painel, Billy Kluttz, acrescentou que “as questões LGBT” também são ofensivas. “Nós não somos problemas”, disse ele. “Somos pessoas.”

Kluttz, um pastor presbiteriano gay, disse que as experiências resultantes desse tipo de linguagem são anormais e desumanas.

Outros discursantes concordaram em dizer que essas experiências criam dificuldades ao tentar identificar lugares seguros, especialmente entre suas comunidades religiosas.

“É muito interessante estar constantemente em um espaço em que você precisa entender como filtrar ou reformular quais partes da sua vida você vai compartilhar com alguém”, disse Langford.

Schilaty disse que tinha que justificar sua identidade LGBT para sua comunidade religiosa e justificar suas crenças religiosas para sua comunidade LGBT, especialmente porque ele optou por se abster de relacionamentos homossexuais como parte de sua prática religiosa.

“Quanto de mim posso compartilhar e quantos qualificadores eu preciso dar para que as pessoas ainda me respeitem?”, perguntou Schilaty.

Os palestrantes convidaram aliados diretos da comunidade religiosa para criar espaços seguros e amorosos em suas congregações.

A chave, de acordo com Schilaty, é ouvir e buscar entender, em vez de ser entendido. Cada congregação tem membros LGBTs com quem interagir e incluir, disse Kluttz.

“Se você acha que não conhece e ama alguém em sua vida que seja LGBTQ, então talvez seja a hora de fazer uma autoavaliação honesta sobre porquê você não criou um espaço seguro para eles voluntariarem isso para você” Langford disse.

O palestrante Benjamin Marcus expressou o desejo de ver maiores esforços institucionais para ajudar as pessoas de fé LGBT.

“As igrejas têm a responsabilidade de prover redes estruturais de segurança para aqueles que são traumatizados”, disse Marcus, citando serviços de saúde mental, serviços de saúde e habitações para jovens LGBTs sem abrigo ,como apenas alguns exemplos do que essas redes de segurança podem incluir.

Diálogo sobre Diversidade

Diversidade e inclusão inevitavelmente convidarão uma série de ideias contrastantes. Contudo, de acordo com Hamid, diversas comunidades não precisam temer a dissensão – na verdade, reunir partes em desacordo para se engajar em um diálogo respeitoso pode promover a compreensão e o crescimento.

“Você não pode exercitar a hospitalidade a menos que tenha uma casa, e a casa precisa ser construída”, disse Reno.

Print Friendly, PDF & Email