Interferência do fã: consequências da invasão de campo

43
- Advertisement -
Os fãs da BYU saltam as barreiras e invadem o campo após a equipa ter derrotado a USC nº 24. (Hannah Miner).

Tradução: Karol Fialho

O defensive back da BYU, Dayan Ghanwoloku, é habilidoso em impedir os que correm rápido. Mas quando centenas deles correram até ele em 14 de setembro, o jogador veterano de futebol da BYU conheceu sua torcida.

Ghanwoloku e seus companheiros de equipe foram bombardeados pelos fãs depois que ele conquistou uma interceptação de jogos na prorrogação contra a USC de número 24.

O cougar Payton Wilgar, linebacker, correu para ajudar Ghanwoloku após sua interceptação, mas os dois foram empurrados de todos os lados por pessoas que invadiram o campo.

“Eu estava tentando criar uma barreira com os meus braços, tentando não ser completamente esmagado, mas a emoção e a energia eram fora do normal”, disse Wilgar.

Como torcedores e jogadores juntarem-se no campo de jogo, eles não conseguiram ouvir que os juízes haviam falado que o jogo estava em revisão. Quando a decisão da interceptação foi mantida, os fãs invadiram o campo novamente em comemoração.

No meio de sua empolgação, alguns fãs do Cougar podem não ter percebido o efeito que a invasão no campo poderia tido no resultado do jogo.

Anna Bryner
O quarterback  da BYU Zach Wilson atravessa a multidão após a vitória comemorativa dos Cougars em 14 de setembro. (Anna Bryner)

Se os juízes tivessem revogado a regra da interceptação disputada, a USC teria mantido a posse. A BYU poderia ter sofrido uma penalidade de conduta antidesportiva, enviando os Trojans para a linha de 6 jardas. A partir daí, a USC estaria bem preparada para vencer a prorrogação da BYU.

No entanto, a possibilidade de causar uma penalidade na BYU pode não ter passado pela cabeça da maioria dos fãs.

O calouro da BYU, Jason Glenn, foi um dos fãs ávidos que correram para o campo em comemoração. Glenn disse que, assim que alguns dos alunos começaram a invadir o campo, ele sentiu que todos tinham permissão para segui-los. A intensidade do jogo e seu final próximo foram um catalisador para a invasão comemorativa, segundo Glenn.

“Não era como se estivéssemos claramente ganhando ou perdendo. Foi meio duvidoso, então quando vencemos, foi realmente emocionante e todos correram para o campo” , disse Glenn.

O defensive lineman da BYU, Bracken El-Bakri, disse que o entusiasmo dos fãs desempenhou um papel importante no combate à infração da USC.

“Ouvi que a multidão enlouqueceu e foi só quando vi pessoas correndo para o campo que percebi que tínhamos ganhado o jogo”, disse El-Bakri.

Nem todo mundo estava tão ansioso para entrar na atividade caótica. O estudante de mestrado Austin Vaterlaus disse que ele e sua esposa estavam gritando de emoção quando Ghanwoloku fez a intercepção, mas eles não correram para o campo.

 “Eu acho que foi um exagero, apenas pelo ranking da equipe e pelo tipo de situação”, disse Vaterlaus.

Anna Bryner
O running back Ty’Son Williams se mistura com fãs entusiasmados em campo, após a vitória da prorrogação dos Cougars. (Anna Bryner)

Embora ele tenha ficado sentado no final do jogo, Vaterlaus disse que pode entendeu por que os alunos correram. “O final do jogo – com certeza foi muito emocionante”, disse ele. “Este foi o nosso primeiro jogo em casa nesta temporada que vencemos.”

A vitória de 14 de setembro marcou a primeira vitória dos Cougars em casa contra um adversário classificado sob o comando do técnico Kalani Sitake, agora em sua quarta temporada como treinador dos Cougars.

Se a invasão no campo continuar sendo uma tradição para vitórias emocionantes, a BYU pode considerar seu status independente como uma bênção. Conferências em todo o país estão reprimindo as comemorações no campo pós-jogo.

Na SEC (Southeastern Conference), por exemplo, as equipes podem pagar uma multa de U$ 50.000 dólares pela primeira infração ao invadirem o campo. A LSU foi multada em U$ 100.000 dólares na última temporada, depois que os fãs correram para o campo após uma vitória entre Geórgia de número 2. Desde a comemoração dos Tigers’ pela segunda infração, eles seriam multados em U$ 250.000 dólares se os fãs voltarem ao campo. O Pac-12 tem uma política semelhante. Ambas as conferências citam a segurança como uma das maiores preocupações.

Anna Bryner
Os fãs invadiram o campo pela segunda vez em 14 de setembro depois que os juízes defendem a decisão de interceptação e declaram a vitória da BYU contra a USC. (Anna Bryner)

Alguns dos principais programas de futebol da NCAA nunca viram seus torcedores invadirem o campo. O estádio Bryant-Denny, no Alabama, e o estádio Ben Hill Griffin, na Flórida, também conhecido como “The Swamp”, permanecem intocados pelos fãs.

Vaterlaus disse que acha que invadir o campo é mais apropriado para rivalidades competitivas, campeonatos nacionais e vitórias perdidas. 

Alguns fãs ficaram felizes em tirar proveito da emocionante oportunidade. O calouro da BYU, Jacob Taylor, disse que a única coisa em que ele pensava quando decidiu correr foi a energia que emanava do campo enquanto os estudantes corriam em massa.

“Todo mundo estava super animado. Faz um tempo desde que eu estive em um jogo de futebol com esse tipo de energia”, disse Taylor.

Print Friendly, PDF & Email